Clique aqui para recomendar esta página a Amigos!

Google
Na Internet Nesta Página

Sócrates, as idéias e a cicuta

"Como tudo seria diferente se vencessem na vida aqueles que venceram na morte..." Cícero

    Buscando na história pistas possíveis para soluções aos problemas contemporâneos, deparamo-nos com fenômenos em certa medida repetitivos e quase sempre ineficientes.

    Atenas, Grécia, quinto século antes de Cristo: Sócrates é condenado à morte, em última análise, por atentar contra a democracia ateniense (é o que defende, por exemplo I. F. Stone em O Julgamento de Sócrates, Cia das Letras, 1988). Ao invés do governo do povo ou democracia, pregava o governo "daquele que sabe" liderar um povo como um pastor lidera suas ovelhas. Se nos recordarmos que o pastor cuida de suas ovelhas para tosquiá-las, ordenhá-las e sacrificá-las, tendemos a refletir se esta seria a melhor forma de encaminhamento para a coisa pública... De mais a mais, dotados que somos todos nós de razão, quem pode ousar supor saber gerir melhor a nossa vida que cada um de nós? Sócrates, por sua pregação autoritária, antidemocrática, atraiu a si a ira da democracia ateniense que, contudo, sendo ele já um ancião digno de consideração e respeito, é contemplado com a possibilidade de propor um apenamento alternativo. Arrogantemente afrontando os membros da Agora, informa julgar que esteve fazendo um bem, não um mal à juventude ateniense e, em conseqüência, propõe ser sustentado no Pritaneu - algo equivalente a um condomínio de luxo nos jardins paulistanos com todas as despesas pagas... Propusesse ele pagar uma moeda que fosse e a Agora, satisfeita, comutaria a pena, por exemplo ao ostracismo - ser expulso da cidade por um dado período. Sócrates prefere morrer pelas idéias que julga corretas. Ocorre que suas idéias aristocráticas, não "bebendo cicuta" com ele, permanecem nos corações e mentes de todos os que até hoje idolatram as mais diversas formas de autoritarismo pelo mundo afora.

Em seus derradeiros momentos, Sócrates ministrava lições de vida aos seus discípulos...

    Palestina, aproximadamente ano 30 da nossa era; Jesus de Nazaré, por seu apego inamovível à verdade e à justiça, à bondade e à beleza, num mundo impregnado de regras políticas e religiosas exageradamente rígidas, desagrada autoridades civis e eclesiásticas de seu tempo, sendo por isso condenado à morte infamante na cruz em pleno feriado judaico, o mais importante deles, por sinal, a Páscoa, momento em que todos se uniam em preces e recordações da libertação miraculosa do cativeiro no Egito, liderados que foram por Moisés.

    Como se sabe, as idéias de Cristo não foram crucificadas com ele e, na época heróica do cristianismo, ganharam a maioria do povo. Hoje deploravelmente, alguns dos cultores do Cristo, chamam a si mesmos de "cristãos" mas apenas lhe prestam honras com palavras. Sua memória e sua suas obras não têm sido honradas na prática cotidiana dos que se dizem seguidores do divino Mestre.

    Minas Gerais, fins do século dezenove; ecoando idéias de liberdade que grassavam na Europa e América do Norte, um grupo romântico de brasileiros procura viabilizar um projeto político sério para o Brasil, principalmente cortando a evasão de divisas para o exterior (é bem antiga esta demanda, como se percebe). Os principais integrantes da chamada "Inconfidência Mineira" foram condenados à morte, pena comutada ao degredo, com exceção daquele que foi então considerado o líder, o alferes Joaquim José da Silva Xavier, Tiradentes. Hoje questiona-se se um simples alferes lideraria um movimento que era composto inclusive por coronéis, juizes e altos sacerdotes... Somente ele, que hoje é visto por muitos historiadores como um "bode expiatório" daquela coisa toda, foi enforcado e esquartejado.

Teria o Alferes sido um mero "Bode Expiatório" no meio de tantas autoridades?

    Como os esbirros da Metrópole, então Portugal, não tiveram com as idéias o mesmo tipo de sucesso que tiveram com os corpos de alguns de seus portadores, cerca de meio século depois o Brasil conquista sua emancipação política e, um século a seguir, chegamos à república, não propriamente a república desejável, como já nos dizia Euclides da Cunha, mas avançou-se, pelo menos. É muito útil recordar estes sacrifícios todos para que não venhamos a, desprezando-os, dificultar novos avanços, exigência dos tempos.

    Da história nos ficam algumas lições tremendamente significativas: podem-se matar homens, mas não se pode obrigar suas idéias a beber cicuta, crucificá-las, enforcá-las, esquartejá-las ou degredá-las. Cada pequena lanterna intelectual que se apaga pela intolerância política ou religiosa de uns poucos traz severo ônus à humana espécie, senão vejamos; que rumos teria tomado a história do ocidente se ao invés de ser condenado à morte Sócrates houvesse tido a oportunidade de defender livremente suas idéias autoritárias? Talvez a participação política dos cidadãos fosse ainda mais ampliada e, ao invés de termos uma democracia representativa, restrita, tivéssemos o que os gregos conseguiram em Atenas, uma democracia direta, com plena participação de todos os cidadãos nas decisões de todas as temáticas afeitas à coletividade, enfim. Dizem - não posso dar testemunho ocular deste fato - que na Suíça contemporânea é praticamente assim que as coisas funcionam no mundo político, com plena participação e poder decisório de todos os cidadãos que são chamados a opinar acerca de todos os temas coletivos por telefone, correio ou, hoje em dia, Internet...

    De todo modo, já está mais do que comprovado historicamente ser muitíssimo mais vantajoso a todos discutir abertamente todas as idéias e opiniões possíveis e imagináveis, de maneira tal que possamos sempre evitar novas injustiças e, baseados na aceitação mais plena possível do princípio da igualdade jurídica entre todos os seres humanos, possamos chegar a formas mais plenas e saudáveis de convívio social. Que possamos chegar bem próximos pelo menos do tão almejado consenso.

Lázaro Curvêlo Chaves

Recomendados:

Apologia de Sócrates e  Banquete  PLATÃO

 

Arquivo de Artigos Semanais, Sociologia, Filosofia, Psicologia, Ensaios Críticos

Temas para o Vestibular Comentário Semanal Livros na íntegra para download gratuito
   
Obras Brasileiras e Portuguesas Filosofia, Sociologia e Psicologia Trabalhos que a fé inspira
     
História do Brasil     Obras de Valor Universal Trabalhos Maçônicos
   
Arquivo de Artigos Semanais Assédio Moral no Trabalho Trabalhos Rosacruzes 
     

© Copyleft LCC Publicações Eletrônicas - Todo o conteúdo desta página pode ser distribuído exclusivamente para fins não comerciais desde que  mantida a citação do Autor e  da fonte.

O maior acervo de livros na Internet brasileira!