Cultura Brasileira: no ar desde 1998

Introdução à Mitologia Grega: Deuses e Contos de Origens

 

Para muitos povos, a religião, através dos valores transmitidos por suas crenças e das práticas que realizam em seus rituais, organiza a vida da sociedade. E assim era entre os gregos.

Na sociedade contemporânea, uma mesma religião muitas vezes não atinge um povo inteiro, mas somente parte dele. Assim, num mesmo país é possível haver várias comunidades religiosas distintas, cada uma com seu sistema de crenças e ritos. Somente numa cidade do Brasil, digamos, São Paulo, por exemplo, podemos encontrar católicos, protestantes de orientações diversas, testemunhas-de-jeová, seguidores da Igreja Universal, Seguidores do Candomblé, da Umbanda, espíritas kardecistas, etc. Todas essas comunidades freqüentemente fazem parte de uma rede maior, muitas vezes com uma sede central em algum lugar específico. Por exemplo, os católicos romanos de todas as cidades onde eles existem constituem uma comunidade mundial com sede em Roma.

Na Grécia Antiga, as várias cidades-estados - cada qual com um sistema diferente de encaminhamento político - tinham precisamente uma única fé a uní-los; com as mesmas crenças e mesmos rituais eram parte de uma mesma comunidade religiosa: tinham as mesmas crenças e rituais, tanto que se faziam representar em santuários comuns, como em Delfos e Olímpia.

Clique sobre a Imagem para vê-la em HD

Clique sobre a Imagem para vê-la em HD

 

Em Delfos a voz de Apolo, filho de Zeus se fazia ouvir de maneira sibilina através de um oráculo proferido por uma sacerdotiza especial. Raramente se tomavam decisões relevantes ao povo de uma cidade-estado grego sem antes consultar o Oráculo em Delfos. Em Olímpia tinham lugar um festival religioso e atlético: as competições em homenagem a Zeus, Rei dos Deuses do Olimpo. A primeira Olimpíada da Grécia Antiga ocorreu na cidade de Olímpia no ano 776 Antes da Nossa Era, repetindo-se a cada quatro anos e sendo a referência do calendário grego; dizia-se coisas como "meu filho se casou no 3º ano da 6ª Olímpiada..." 

Entre os gregos, a tradição religiosa era transmitida oralmente por poetas como Homero e Hesíodo, que viveram entre os séculos IX a.C. e VIII a.C., inspirados por divindades ligadas à música e à poesia, as Musas. Seus relatos foram retomados por dramaturgos dos séculos V a.C. e IV a.C. Numa cultura pré-literária como a grega antiga, o conceito de KLEOS (Glória Imorredoura, numa tradução literal, que envolve ainda outros conceitos éticos elevados como Honra, Bravura, Honestidade, etc.) tem óbvia relevância: os cadáveres eram cremados e o que restava dos homens era o que seus pósteros diziam acerca de seus feitos.

 

As divindades gregas

Diferentemente da religião cristã, onde a "crença" é fator crucial, a religião na Grécia Clássica não envolve essa dimensão: os deuses representam, de maneira antropomórfica, Forças da Natureza e Desejos Humanos tão incontroláveis quanto incontestáveis. Por exemplo, Afrodite, que nasceu da fecundação dos testículos castrados a Cronos com o Mar, era a manifestação do Desejo Sexual (as tentativas de transformá-la em "deusa do amor" é um desenvolvimento bastante recente e absolutamente desconhecido aos gregos). Se você perguntasse a um grego se ele "acredita" em Afrodite ele não compreenderia a questão! Afrodite é Desejo Sexual, Tesão. "Você acredita em Tesão"? Não faz sentido. Existe e pronto. O fato de ter uma história de antropomorfismo em torno não remove o cerne da questão.

Outro exemplo: quando Zeus castrou seu pai Cronos e arremessou seus testículos ao mar libertou os irmãos que o Titã havia devorado criando a Tríplice Divisão: Zeus governa o Olimpo, Poseidon governa os mares e Hades governa o mundo dos mortos. Poseidon é a representação antropomórfica do Mar e dos Terremotos. Não se "acredita" em terremotos ou tempestades marinhas, elas existem, ponto final.

Uma característica sui generis é o fato de os deuses gregos, não terem as características do deus judaico-cristão, ou seja: os deuses gregos têm amplos poderes, podem transformar-se a seu talante, transportar-se instanteneamente a qualquer lugar e certamente têm amplo conhecimento; não são, contudo onipotentes nem onipresentes e, acima de tudo, não se importam tanto com o destino dos seres humanos que lhes são úteis, só isso. Os deuses olímpicos parece estarem sempre jogando xadrez e utilizam os seres humanos como as pedras do tabuleiro. Não há "bondade" ou "maldade" absoluta nos deuses Olímpicos.

Inevitável o intercâmbio tanto comercial quanto cultural entre as culturas humanas no entorno do Mediterrâneo, portanto não é rara a ocorrência de referências similares a outras divindades e heróis da Mesopotâmia, do Egito e mesmo da Índia, de alguma forma presentes no panteão dos deuses gregos.

 
 

 

Mitos de Origem

 

 

Segundo Hesíodo, em Teogonia, no início era o Caos (que, em grego tem um significado aproximado de "tudo quanto existe", não de "desordem" que veio a adotar mais tarde). Do Caos proveio a Terra (Géia), o mundo dos mortos (Tártaro) e o Desejo Sexual (Eros); este último, séculos depois, já quando os Romanos haviam adotado e adaptado muito da mitologia grega, se torna filho de Afrodite e, em versões medievais aparece em pinturas como um anjinho cego a arremessar flexas... Os mitos não são construções fixas e paralizadas no tempo e no espaço, evoluem, transformam-se, adaptam-se...

Urano (o Céu) se casa com Géia (a Terra) e recebe um oráculo dizendo que um de seus filhos o destronaria. Para evitar que isso aconteça, pressiona Géia a tal ponto que não há espaço para o desenvolvimento de seus filhos que nascem e ficam presos no ventre de sua mãe. Não havia distância entre o Céu e a Terra... Géia fabrica uma foice e instrui seu filho caçula, Cronos, a castrar seu pai que, como todos os deuses, tem a característica definidora e diferenciadora dos humanos pelo fato de ser IMORTAL. Urano - o Céu - afasta-se para cima (sendo assim mantido nos ombros de Atlas, um de seus filhos) dando espaço a que os outros filhos de Géia se libertem também. Dentre estes, Cronos, que liberta os Titãs, assume a sua liderança e se casa com sua irmã Rhea recebendo o mesmo oráculo (que seria destronado por um de seus filhos). Cronos decide aguardar o final da gestação de cada filho gerado em Rhea e o engole assim que nasce.

Cronos devorando um de seus filhos recém-nascidos em tela de Francisco Goya Y Lucientes, 1823 - Cabe ressaltar que, segundo Hesíodo, Cronos engolia inteiros seus filhos e não os mastigava como dá a entender a tela do gênio Espanhol

Rhea, fatigada de dar a luz tantos filhos e ter de os dar a devorar ao pai Cronos, após o nascimento de Zeus entrega a ele uma pedra embrulhada em roupas de bebê, que Cronos engole sem perceber a troca. Enquanto isso, numa ilha remota, Zeus cresce. Chegando à idade adulta cumpre a profecia, castra seu pai e, ainda segundo Hesíodo, os testículos de Cronos fecundam o mar e assim nasce a mais bela das deusas, a deusa do Desejo Sexual, Afrodite. 

O Nascimento de Afrodite, em tela de Sandro Boticelli de 1486

Como não poderia deixar de ser, Zeus recebe o mesmo oráculo que seus ancestrais: um de seus filhos o iria destronar. Sabedor de que seria um de seus filhos com sua irmã Metis (deusa do artesanato e da sabedoria) decide-se por engoli-la a fim de que ela preste a ele bons conselhos e assim evita o mesmo destino de seus ancestrais permanecendo eternamente rei dos deuses do Olimpo - os gregos acreditavam que os pensamentos ocorriam no plexo solar, não no cérebro como cremos hoje - Metis já estava grávida de Pallas-Athena e esta é deslocada até a cabeça de Zeus que, enfrentando tremenda dor localizada, convoca Hefesto (o ferreiro dos deuses) a que use um machado para abrir-lhe a cabeça e aliviar a pressão: da cabeça de Zeus, completa e vestida de plena armadura para a Guerra, nasce Athena, a Deusa da Sabedoria.

 

Como se disse acima, Zeus liberta seus irmãos do ventre de sua mãe: Héstia, deusa do coração, de quem não restam muitas referências mas parece ter sido objeto de culto em vastas regiões da Grécia durante o Período Homérico, Poseidon que se torna Senhor dos Mares e Terremotos, Hades, que se torna senhor dos mortos, Hera, que se torna a esposa permanente de Zeus e Senhora do Casamento, Demeter, que se torna Senhora das Plantações e Colheitas, Leto, de quem não nos restou outra informação exceto haver sido mãe de Apolo e de Artemis. Com Zeus, Hera concebe Ares, Deus da Guerra e Hebe, deusa da beleza e eterna juventude;. para se vingar das inúmeras infidelidades de Zeus, Hera gera sozinha Hefesto que diziam ser tão feio que foi arremessado do monte Olimpo. Torna-se o Ferreiro dos Deuses. A estes, somam-se uma série de divindades menores, semi-deuses e Heróis que passamos a descrever rapidamente (caso o eventual leitor se interesse por um aprofundamento, por favor entre em contato através do Facebook).

 
 

 

Héracles - O Maior de todos os Heróis

            Com o nome romanizado "Hércules", chegam até nós suas histórias de grande heroísmo, grande sofrimento, sempre representado, além de heróico, como Glutão, Beberrão e dotado de uma apetite sexual incomparável, é um dos pouquíssimos semi-deuses ou mortais que se tornam deuses ao final de suas vidas.

           Zeus sempre se sentiu atraído pela beleza das mulheres mortais que, via de regra eram punidas por sua esposa Hera. Ao invés de Alcmene, mãe de Héracles, contudo, Hera se torna inimiga visceral do Herói e, quando ainda no berço, envia serpentes para matá-lo e há um sem-número de representações de Héracles ainda bebê sobrepujando uma ou mais serpentes.

Mármore Romano Representando o bebê Hércules estrangulando uma serpente

 

          Já antes de seu nascimento, Hera conspira contra Héracles! Por determinação de Zeus, em determinada data nasceria o herdeiro do trono de Micenas, data prevista para o nascimento de Héracles. Hera providencia o atrazo no nascimento de Héracles e antecipa o nascimento de seu primo, Euristeu, da mesma Casa, da mesma Família e a quem Héracles passa a subordinar-se. Enfurecido, Zeus não pode fazer nada a respeito.

         O que se narra acima acerca da vida de Héracles constava de um Poema Épico chamado "Herecléia", hoje perdido, atribuido a Peisândro de Rodes, datando de aproximadamente 600 Anos Antes da Nossa Era. A repetição daquelas histórias entre gregos e romanos ao longo de muitos séculos nos permite conhecê-las com razoável acuidade.

 

Os Doze Trabalhos de Hércules (Héracles, para os gregos)

          Adulto, Héracles se casa com Mégara, filha de Creonte, tem com ela três filhos e se torna um homem feliz. Hera, ainda enfurecida com a infidelidade de Zeus, pune Héracles com uma forma irresistível de loucura, ele é levado a matar seus filhos e, no processo, segundo alguns autores, também Mégara.

           Motivo de sobra para reflexão dos Existencialistas (Jean-Paul Sartre em O Muro e Albert Camus em O Mito de Sísifo, por exemplo), embora impulsionados por deuses representativos de forças incontroláveis da Natureza ou do Inconsciente, cada ser humano é totalmente responsável por seus atos. Após um período de recolhimento entristecido, isolado e camponês, Heracles é encontrado por seu primo Teseu, que lhe recomenda ir até o Oráculo em Delfos e descobrir assim uma forma de restaurar sua Honra perdida.

          A Pitonisa lhe diz que ele deve servir como escravo a Euristeu durante doze anos e ainda que ele se tornaria imortal. Desnecessário enfatizar o quanto Héracles desprezava Euristeu, que lhe roubou o direito de nacença, o trono de Micenas. Mas ele cumpre o desiderato e é assim que têm lugar "Os Doze Trabalhos de Héracles".

          Instruído por Hera, Euristeu incumbe Héracles dos Doze seguintes trabalhos (verdadeiramente "hercúleos"!)

1 - Matar o Leão de Neméia - um animal perigosíssimo que, dotado de força muito acima da normal aos leões, tinha um couro invulnerável à penetração de facas, espadas, lanças ou flexas. Héracles o sufoca até a morte e usa as próprias garras do leão para esfolá-lo, passando a usar o seu couro como proteção e esta se torna uma de suas características marcantes nas representações artísticas greco-romanas.

2 - Matar a Hidra de Lerna - um animal mitológico, serpente com corpo de dragão e 9 cabeças, uma delas parcialmente de ouro e imortal. Cada vez que se cortava uma das cabeças da Hidra, duas outras nasciam entre gases venenosos. Com a ajuda de um sobrinho, Iolau, Heracles ia cortando todas as cabeças da Hidra enquanto Iolau as cauterizava a fogo. Para ajudar a Hidra, Hera envia um Caranguejo gigantesco que Heracles mata pisoteando e Zeus o transforma na Constelação do Caranguejo (Câncer). Ao final, Heracles embebe suas flexas no sangue venenoso da Hidra, dotando-se de uma arma ainda mais poderosa para os futuros Trabalhos.

3 - Capturar a Corça de Ártemis - Animal espetacular, mais veloz que uma flexa . Afora isso, nada de especial no animal em si, exceto o perigo de instigar a ira de Ártemis, deusa da Caça e protetora de filhotes e da virgindade das donzelas. Excepcionalmente, Ártemis se apieda de Héracles (segundo pelo menos algumas versões) e, após o herói perseguir o animal por um território vastíssimo, o entrega a Heracles com a condição de que não o mate. Levada a Euristeu, que, sem saber o que fazer, solta a Corça de Ártemis novamente.

4 - Capturar o Javali de Erimanto - Animal de extrema ferocidade que aterrorizava o local, foi capturado sem grande dificuldade por Héracles após horas de perseguição. Hilariante um vaso que nos chegou dos tempos antigos, retratando Euristeu se escondendo apavorado diante do Javali capturado apresentado por um Héracles sempre vencedor.

5 - Limpar os currais de Áugias que jamais havia sido limpo durante todas as décadas em que existiu. Héracles desvia dois rios e os lava em tempo recorde.

6 - Matar as aves do lado Estínfalo - Aves com bicos, garras e pontas das asas de ferro e tão gigantescas que bloqueavam o sol, além de levar perigo constante aos viajanes: a ponta de suas asas, em particular, trazia grande perigo: eram verdadeiras flexas mortíferas! Héracles as mata uma a uma com flexas embebidas no veneno da Hidra; pouquíssimas que remanescem se vão para outros países.

7 - Capturar o Touro de Creta e levá-lo vivo até Euristeu - Presumivelmente o mesmo touro que o rei Minos havia prometido sacrificar a Poseidon. Minos descumpre a promessa, Poseidon pede a Afrodite que faça a esposa de Minos, Parsifae, se apaixonasse pelo Touro e, de sua união, nascesse o mitológico Minotauro, morto por Teseu, herói Ateniense - Heracles vai a Creta, captura o touro enlouquecido por Poseidon e volta a Euristeu nele montado.

8 - Captura das éguas de Diomedes - o rei da Trácia (Diomedes) e filho de Ares, deus da Guerra mantinha seus animais numa dieta exclusiva de carne humana, de adversários ou náufragos que chegassem até suas praias. Heracles soluciona a questão acalmando os animais com a carne de... Diomedes e seu séquito. Após bem alimentados, Heracles as leva docilmente até Euristeu que as encaminha a Hera...

9 - Capturar o Cinturão de Hipólita, rainha das Amazonas - as Amazonas são mulheres que vivem à margem do mundo grego e representam o oposto dos valores tradicionais da sociedade patriarcal da Grécia Clássica. Excepcionalmente ferozes e exímias no cavalgar e no uso do arco-e-flexa (conta-se mesmo que extirpavam um dos seios para facilitar o deslise da corda do arco!). Há uma sutil referência sexual ao se retirar a única peça de vestimenta que mantém a vestimenta unida, mas fiquemos por aqui: Heracles domina Hipólita, captura-lhe o cinturão e o leva a Euristeu.

10 - Capturar o Gado de Gerião - Gerião era um monstro com três corpos, seis braços, seis asas e dominava tiranicamente sua região. Após muita aventura - e muita implicância de Hera... - Heracles finalmente consegue derrotar Gerião, capturar o seu gado e, apesar das enchentes enviadas por Hera a dificultar-lhe o caminho, voltar à corte de Euristeu e sacrificar o gado de Gerião à deusa...

11 - Colher os Pomos de Ouro do Jardim das Espérides - A fim de conseguir o resultado Héracles precisa da ajuda de Atlas para derrotar o Dragão de Cem Cabeças que guardava o Jardim das Hespérides. Heracles segura o Céu nos ombros enquanto o Titã derrota o dragão. De volta com os Pomos, Atlas comunica a Héracles que não tem intensão de retomar a inglória tarefa de segurar o Céu nos ombros, transferindo-o a Héracles que apela apenas por um momento para pegar o couro do Leão de Neméa com o qual aliviar o peso do Céu sobre seus ombros. Atlas segura o Céu por um instante e é a vez de Héracles agradecer penhorado e seguir viagem com os Pomos que havia ido buscar...

12 - Trazer, do mundo dos mortos, o Cão de Três Cabeças Kérberos (ou Cérbero, como ficou conhecido a partir do Latim) guardião da entrada do Hades - Hades, após alguma persuasão, se decide a consentir a ida de Kérberos até Micenas com a condição de que Héracles não usasse contra o animal nenhuma de suas armas, somente a sua força física. Héracles o faz, mais uma vez Euristeu fica apavorado diante da visão do animal infernal e ordena sua imediata liberação.

 

 

Héracles se transforma num Deus

          Numa de suas aventuras, o centauro (animal mitológico com torso de homem e corpo de cavalo) Nesso tentou estuprar Dejanira, a segunda esposa de Héracles que, exasperado, o mata com uma seta embebida no sangue venenoso da Hidra de Lerna. Nesso se aproxima de Dejanira, diz não guardar rancor de Héracles e sugere a ela que guarde um pouco de seu sangue para que, quando chegue o dia em que Héracles perca o interesse sexual por ela e se interesse por outra mullher, ela dê a ele o sangue para beber ou o embeba numa vestimenta que lhe cubra o corpo, trazendo assim seu desejo de volta.

           Mulheres... Dejanira, acreditando em Nesso, guarda-lhe o sangue e, quando o dia chega em que Héracles de fato começa a se interessar por outra mulher, embebe uma túnica no sangue de Nesso ("Túnica de Nesso" é uma ocorrência frequente a vestimenta envenenada na literatura ocidental, aliás) e dá a Héracles para que vista. Seu corpo começa a ser corroído - o sangue do centauro é como um dolorosíssimo ácido corrosivo, tão doloroso que Héracles prefere erguer uma Pira Funerária e se auto-imolar para que a dor seja interrompida.

            Zeus se apieda de Héracles e somente seu corpo mortal é destruído, sua PSYCHE é eleavada ao nível de divindade passando, desde aquele momento a ocupar o Olimpo tendo como última esposa Hebe, deusa da beleza e da juventude.

* O que se apresenta acima é uma versão extremamente simplificada de todas as histórias conhecidas dos deuses e heróis citados. Insisto: caso tenhas interesse em algum ponto específico mais aprofundado, por gentileza, entre em contato através do Facebook.

Lázaro Curvêlo Chaves - 15/01-2015

Leia Ainda

Gnōthi Seauton e Mēdén Ágan, inscrições eternas no Templo de Apolo, em Delfos

A Guerra de Tróia e Seus Desdobramentos para a Nossa Cultura

As Sete Maravilhas do Mundo Antigo

 

 

 

Dicas de Leitura para Aprofundamento

As Sete Maravilhas do Mundo Antigo

Introdução: A Grécia Clássica

O Cotidiano na Cidade-Estado grega

A Política na Grécia Clássica

Copyleft © LCC Publicações Eletrônicas Todo o conteúdo desta página pode ser copiado e divulgado para fins não comerciais. É educado sempre citar a fonte... Contato: https://www.facebook.com/lazaro.chaves