Cultura Brasileira: no ar desde 1998

 

Pierre–Joseph Proudhon (1809-1865), Mestre Maçom

 

Pierre-joseph Proudhon e seus filhos - Gustave Courbet - 1853

 

 

 

            Considerado por Bakunin “o mestre de todos os anarquistas”, nasceu na França em 1809, no seio de uma família modesta.

Trabalhou como operário e tipógrafo. Como autodidata, desenvolveu suas próprias teorias sobre organização social, baseada na cooperação e no mutualismo. Em 1840 publicou o livro O Que é a Propriedade?, sob os auspícios da Academia de Besançon, onde se declara pela primeira vez anarquista. O livro foi elogiado por Marx, que o tentaria atrair mais tarde (1846) para um grupo de pensadores socialistas. No entanto, Proudhon na resposta a Marx questiona a criação de novos dogmas, o que levaria à ruptura com o socialista alemão.

Entre os anos 1844 e 1845, participou de vários encontros em Paris com Mikhail Bakunin e Karl Marx. Mas logo em 1846 Proudhon e Marx romperam por discordâncias fundamentais (clique aqui para conferir) publicou sua obra Sistema das Contradições Econômicas ou Filosofia da Miséria que recebeu de uma crítica violentíssima de Marx em sua Obra, também clássica, Miséria da Filosofia.

Em 1847 Pierre-Joseph Proudhon foi iniciado em Besançon, na ARLS “Sincérité, Parfaite Union et Constance Réunies” do Grande Oriente da França. É retratado até hoje pelo GOF como “um maçom assíduo e cumpridor de seus deveres, além de haver influenciado fortemente no desenvolvimento da maçonaria na França”.

Em 1848 Proudhon foi eleito deputado à Assembléia Nacional por Paris. Em julho desse ano, em discurso violento na Assembléia expôs a oposição entre proletários e burgueses, sendo objeto de advertência pelo Presidente do parlamento.

No ano seguinte Proudhon tentou organizar o Banco do Povo, que não conseguiu prosperar. Seus artigos no jornal Representant du Peuple e Le Peuple valeram-lhe vários processos judiciais que o obrigaram a se exilar na Bélgica.

De volta a França foi preso em 1849 tendo ficado na prisão até 1852, onde continuou escrevendo.

A edição do livro De la Justice dans la Révolution et dans L’Eglise, esgotado em poucos dias, provocou novo escândalo e um novo processo judicial, que o obrigou a exilar-se, novamente, em Bruxelas.

Regressou a França onde publicou novos livros entre os quais O Princípio Federativo e Da Capacidade Política das Classes Trabalhadoras que forneceu a base teórica do anarco-sindicalismo, defendendo que o “proletariado deve emancipar-se sozinho”. Morreu em 1865, pouco depois da fundação da Primeira Internacional, criada em grande parte por iniciativa de operários mutualistas franceses.

Abaixo, reproduzo a carta que Proudhon dirigiu a Marx em maio de 1846 e foi o motivo para o rompimento de ambos, pois acentua nitidamente as diferenças de visão entre tipo de sociedade com a qual Proudhon sonhava e o projeto político de Karl Marx.

 

 

 
 

Para Karl Marx, 1846 

Pierre-Joseph Proudhon

 Lyon, 17 de maio de 1846

Meu caro Senhor Marx, 

 

         Concordei de bom grado em ser uma das pessoas incumbidas de receber suas cartas cujos objetivos e organização são, a meu ver, extremamente úteis. Porém não posso prometer respostas muito extensas ou freqüentes, já que minhas múltiplas atividades, combinadas a uma preguiça natural, pouco favorecem tais esforços epistolares. Devo também tomar a liberdade de fazer certas ressalvas que me foram sugeridas por várias passagens da sua carta.

Em primeiro lugar, embora minhas idéias quanto à organização e realização do movimento estejam no momento mais ou menos definidas, pelo menos no que diz respeito aos seus princípios básicos, creio ser meu dever – como é dever de todos os socialistas – manter ainda por algum tempo uma atitude crítica e dubitativa. Resumindo: eu em público professo um anti-dogmatismo quase absoluto.

Procuremos juntos, se assim o desejar, as leis da sociedade, a forma pela qual essas leis poderão ser executadas, o processo que utilizaremos para descobri-las. Mas, por Deus, depois que tivermos destruído a priori todos os dogmatismos, não sonhemos por nossa vez em doutrinar as pessoas; não nos deixemos cair na contradição de seu compatriota Martin Lutero que, depois de ter demolido a teologia católica, lançou-se imediatamente à tarefa de criar as bases de uma teologia protestante, utilizando-se da excomunhão e do anátema. Nestes últimos três séculos, uma das principais preocupações da Alemanha tem sido desfazer o mau trabalho de Lutero. Não deixemos pois à humanidade a tarefa de desfazer uma embrulhada semelhante como resultado de nossos esforços.

Aplaudo, de todo o coração, sua idéia de trazer todas as opiniões à luz. Iniciemos sim uma boa e leal polêmica; tentemos dar ao mundo um exemplo de tolerância sábia e perspicaz, mas não nos transformemos, pelo simples fato de que somos os líderes de um movimento, em líderes de uma nova forma de intolerância; não posemos de apóstolos de uma nova religião, mesmo que seja a religião da lógica e da razão.

Vamos reunir e estimular todas as formas de protestos, vamos rechaçar toda a aristocracia, todo o misticismo; jamais consideremos qualquer tema esgotado e, quando tivermos lançado mão do nosso último argumento, comecemos outra vez – se preciso for – a discussão, com eloqüência e ironia. Sob tais condições eu alegremente unir-me-ei a vós. De outra forma – não!

Também tenho algumas observações a fazer sobre esta frase da sua carta – o momento da ação. Talvez o senhor ainda mantenha a opinião que no momento é impossível haver qualquer reforma sem que haja um coup de main, sem o que era antes chamado revolução e que na verdade não é nada mais do que um choque. Esta segunda idéia que eu entendo, perdôo e que estaria disposto a discutir, tendo eu mesmo compartilhado dela durante um longo tempo, meus estudos mais recentes me fizeram abandoná-la totalmente. Não creio que tenhamos de lançar mão dela para triunfar e, conseqüentemente, não devemos colocar a ação revolucionária como um meio para alcançar a reforma social, já que esse pretenso meio seria apenas um apelo à força, à arbitrariedade, em resumo, uma contradição. Eu coloco assim o problema: provocar o retorno à sociedade, por meio de uma combinação econômica, da riqueza que ela perdeu graças a uma outra combinação. Em outras palavras, utilizar a Economia Política para transformar a teoria da Propriedade contra a Propriedade de forma a criar aquilo que os socialistas alemães – vocês – chamam de comunidade e que eu pessoalmente me limitarei, por ora, a chamar de liberdade ou igualdade. Creio possuir os meios para resolver este problema dentro de muito pouco tempo: preferiria, portanto, queimar a propriedade em fogo lento a lhe dar novo alento fazendo uma noite de São Bartolomeu com aqueles que a têm nas mãos.

 

(in Correspondência, 1874 – 1875)

 

 

 

Pierre–Joseph Proudhon - Mestre Maçom

Reprodução de trecho do e-mail recebido a 21 de março passado da Grande Loja da França, atendendo à minha consulta acerca da condição de Maçom de Pierre-Joseph Proudhon.

“Bonjour Mon Très Cher Frère, 

(...) 

Pierre-Joseph Proudhon a été initié en 1847 dans une loge du grand Orient de France de Besançon « Sincérité, Parfaite Union et Constance Réunies ». Il fut assidu et eut une influence certaine dans l’évolution de la franc-maçonnerie française de la fin du XIXe siècle. 

(...) 

J’espère avoir répondu à ta question et te prie de croire, mon Très Cher Frère en mes sentiments les plus fraternels. 

François Rognon, Musée Archives Bibliothèque de la Grande Loge de France – www.gldf.org

 
 

 
Outros Trabalhos de Interesse

Escritos Revolucionários - Errico Malatesta

D. Pedro Casaldáliga Contra a Globalização

Falsa Esquerda Alimenta o Anticomunismo

Desobediência: Virtude Original do Homem - Oscar Wilde

Pequena Introdução às Idéias Libertárias
Teotonio Simões

 

 
O Que Querem os Anarquistas?

De Pernas para o Ar – Eduardo Galeano – Excertos

O Pensamento Único e os Novos Senhores do Mundo - Ignácio Ramonet

Globalizados e Globalizadores: O Que é Globalização

Vozes contra a Globalizacão - um outro mundo é possível

 

 
 
 
Copyleft © LCC Publicações Eletrônicas Todo o conteúdo desta página pode ser copiado e divulgado para fins não comerciais. É educado sempre citar a fonte...Contato: https://www.facebook.com/lazaro.chaves